11 de agosto de 2009

Resumos obras Vestibluar UEPB - 2011 COMVEST

Resumos Vejahistória:



A Educação Pela Pedra, de João Cabral de Melo Neto

Publicado em 1965, A Educação Pela Pedra, de João Cabral de Melo Neto, reúne os traços determinantes da poesia de João Cabral de Melo Neto. Além da excelência de sua poesia pela consciência construtiva da linguagem, João Cabral consegue ser uma singular forma de realização do que se pode compreender por linguagem poética. Apesar de ter produzido livros fundamentais até o final do século XX, A Educação pela Pedra vale como espécie de módulo quadrangular da obra como um todo.

A Educação pela pedra significa um importante momento na trajetória inventiva de João Cabral de Melo Neto. Pode-se dizer que essa obra representa o efeito de um trabalho progressivo que teve o seu início em 1942, com a publicação de Pedra do Sono, e que continuou, passando por estágios de tensão interna, verdadeiros pontos nevrálgicos para a escala da sua invenção.

A coletânea reúne 48 poemas marcados pelo didatismo do poema "A Educação pela Pedra", seu núcleo temático. A obra é dividida em 4 partes: a, A, b e B. Nas partes minúsculas os poemas são curtos e nas partes maiúsculas os poemas são longos. Os temas dos poemas também são distribuídos conforme as letras. Esta maneira de organizar os poemas pode exemplificar a preocupação do poeta com um livro cuidadosamente projetado. São poesias em que sobressaem o rigor formal e a contenção, sem prejuízo do lirismo.

No poema-título, ele nos remete ao conceito da "carnatura" da poética, sua matéria-prima ou conteúdo, no caso, "pedagógico", de intimidade com os objetos:

A educação pela pedra

Uma educação pela pedra: por lições;
para aprender da pedra, freqüentá-la;
captar sua voz inenfática, impessoal
(pela de dicção ela começa as aulas).
A lição de moral, sua resistência fria
ao que flui e a fluir, a ser maleada;
a de poética, sua carnadura concreta;
a de economia, seu adensar-se compacta:
lições da pedra (de fora para dentro,
cartilha muda), para quem soletrá-la.


*
Outra educação pela pedra: no Sertão
(de dentro para fora, e pré-didática).
No Sertão a pedra não sabe lecionar,
e se lecionasse, não ensinaria nada;
lá não se aprende a pedra: lá a pedra,
uma pedra de nascença, entranha a alma.


Linguagem seca, precisa, concisa, desprezo pelo sentimentalismo. A arte não é intuitiva - é calculada, nua e crua.

Há em Cabral uma verdadeira "didática da pedra", como processo teórico e prático da preensão da realidade. Essa "educação" consiste num processo de imitação de objetos, pelo qual é possível tratar da realidade através do poema, isto é, através de uma forma, de uma linguagem que para sua estruturação não despreza, antes acentua, a existência do objeto, segundo João Alexandre Barbosa.

A pedra nos remete à aridez humana e geográfica do Nordeste e é símbolo constante na obra do autor, fazendo confluir a temática social (linguagem-objeto) com a reflexão sobre o fazer poético no próprio texto artístico (metalinguagem).

Aqui a pedra ensina ao homem. A pedra, um objeto inanimado, duro, frio, que à princípio não tem nenhuma qualidade, não demonstra nada, não faz nada, é passada despercebida, ganha em João Cabral essa poesia fantástica. O poeta detestava música, comparava a poesia a um cálculo matemático, relegava a emoção a segundo plano para chegar à perfeição da construção do poema, calcado na colocação das palavras precisas e fundamentais para cada espaço do papel, nada a mais, nada a menos, só a precisão, o contido, o visual.

Observe, no texto que segue, a recorrência à pedra, num outro passo da "educação" que ela exerce na feitura / leitura do poema:

Catar feijão

1.

Catar feijão se limita com escrever:
joga-se os grãos na água do alguidar
e as palavras na folha de papel;
e depois, joga-se fora o que boiar.
Certo, toda palavra boiará no papel,
água congelada, por chumbo seu verbo:
pois para catar esse feijão, soprar nele,
e jogar fora o leve e oco, palha e eco.


2.

Ora, nesse catar feijão entra um risco:
o de que entre os grãos pesados entre
um grão qualquer, pedra ou indigesto,
um grão imastigável, de quebrar dente.
Certo não, quando ao catar palavras:
a pedra dá à frase seu grão mais vivo:
obstrui a leitura fluviante, flutual,
açula a atenção, isca-a como o risco.


Outros poemas da obra

Fábula de um arquiteto

A arquitetura como construir portas,
de abrir; ou como construir o aberto;
construir, não como ilhar e prender,
nem construir como fechar secretos;
construir portas abertas, em portas;
casas exclusivamente portas e tecto.
O arquiteto: o que abre para o homem
(tudo se sanearia desde casas abertas)
portas por-onde, jamais portas-contra;
por onde, livres: ar luz razão certa.


2.

Até que, tantos livres o amedrontando,
renegou dar a viver no claro e aberto.
Onde vãos de abrir, ele foi amurando
opacos de fechar; onde vidro, concreto;
até fechar o homem: na capela útero, com confortos de matriz, outra vez feto.


O mar e o canavial

O que o mar sim aprende do canavial:
a elocução horizontal de seu verso;
a geórgica de cordel, ininterrupta,
narrada em voz e silêncio paralelos.
O que o mar não aprende do canavial:
a veemência passional da preamar;
a mão-de-pilão das ondas na areia,
moída e miúda, pilada do que pilar.


*

O que o canavial sim aprende do mar;
o avançar em linha rasteira da onda;
o espraiar-se minucioso, de líquido,
alagando cova a cova onde se alonga.
O que o canavial não aprende do mar:
o desmedido do derramar-se da cana;
o comedimento do latifúndio do mar,
que menos lastradamente se derrama.


O sertanejo falando

A fala a nível do sertanejo engana:
as palavras dele vêm, como rebuçadas
(palavras confeito, pílula), na glace
de uma entonação lisa, de adocicada.
Enquanto que sob ela, dura e endurece
o caroço de pedra, a amêndoa pétrea,
dessa árvore pedrenta (o sertanejo)
incapaz de não se expressar em pedra.


2.

Daí porque o sertanejo fala pouco:
as palavras de pedra ulceram a boca
e no idioma pedra se fala doloroso;
o natural desse idioma fala à força.
Daí também porque ele fala devagar:
tem de pegar as palavras com cuidado,
confeitá-la na língua, rebuçá-las;
pois toma tempo todo esse trabalho.


Num Monumento à Aspirina

"Claramente: o mais prático dos sóis,
o sol de um comprimido de aspirina:
de emprego fácil, portátil e barato,
compacto de sol na lápide sucinta.
Principalmente porque, sol artificial,
que nada limita a funcionar de dia,
que a noite não expulsa, cada noite,
sol imune às leis de meteorologia,
a toda hora em que se necessita dele
levanta e vem (sempre num claro dia):
acende, para secar a aniagem da alma,
quará-la, em linhos de um meio-dia. ..."


Questões para analisar :

1. (FDV) O poema que dá o título da obra A educação pela pedra apresenta tais características, com exceção de:

(A) reflexão metalingüística;
(B) elaboração formal;
(C) lirismo sem sentimentalismo;
(D) individualismo subjetivista;
(E) construção arquitetônica do verso.


2. (UFV) Leia atentamente o poema abaixo, de João Cabral de Melo Neto:

A educação pela pedra

Uma educação pela pedra: por lições;
para aprender da pedra, freqüentá-la;
captar sua voz inenfática, impessoal
(pela de dicção ela começa as aulas).
A lição de moral, sua resistência fria
ao que flui e a fluir, a ser maleada;
a de poética, sua carnadura concreta;
a de economia, seu adensar-se compacta:
lições de pedra (de fora para dentro,
cartilha muda), para quem soletrá-la.


Outra educação pela pedra: no Sertão
(de dentro para fora, e pré-didática).
No Sertão a pedra não sabe lecionar,
e se lecionasse não ensinaria nada;
lá não se aprende a pedra: lá a pedra,
uma pedra de nascença, entranha a alma.


(MELO NETO, João Cabral de. A educação pela pedra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1996. p. 21.)

Assinale a alternativa que NÃO traduz uma leitura possível do poema acima:

(A) O poeta apreende da pedra a própria vivência na vida agreste do Sertão: de austeridade, resistência silenciosa e sempre capaz de dar lições de vida e de poesia.
(B ) Os versos metalingüísticos revelam a própria poética cabralina: concreta, impessoal, concisa, embora profundamente social.
(C) Ao partir do pressuposto de que a pedra é muda, e, portanto, não ensina nada, o poeta suscita uma reflexão sobre a situação educacional precária no Nordeste.
(D ) O eu lírico também apreende da pedra os próprios versos enxutos, num esforço de dissecação de quaisquer sentimentalismos.
(E ) No poema, de intensa economia verbal, a pedra faz-se metáfora da paisagem do Sertão, que “entranha a alma”, e espelha o fazer poético do autor pernambucano.


3. (UFV) Leia com atenção as seguintes afirmações a respeito da obra A Educação pela Pedra, de João Cabral de Melo Neto:

I. Neste livro, o engenheiro-poeta extrai dos motivos nordestinos e espanhóis a matéria bruta para a construção dos versos pautados pela discursividade lógica da sintaxe, despoetização e anti-musicalidade – recursos intensamente utilizados na literatura contemporânea.

II. A temática, principalmente centrada em motivos nordestinos, é utilizada pelo autor como imitação do romance social dos anos 30; daí a proposta de aprendizagem de uma poesia mais engajada e popular, em linguagem menos complexa.

III. No livro, como em grande parte da poesia da modernidade, são constantes os poemas metalingüísticos, expressivos da tentativa do poeta de apreender seu próprio processo de construção poética, e extrair lições da realidade – sua e da própria linguagem.

É CORRETO apenas o que se afirma em:

(A) I.
(B ) I e II.
(C) I e III.
(D ) II.
(E ) III.


4. (UFSCAR) Esse poema consta na primeira parte de A educação pela pedra, considerada pelo autor sua obra máxima. Depois de uma leitura atenta, responda.

A) Qual o contraste entre a busca da palavra e o resultado de sua execução na boca do sertanejo?

B) A que se refere, no texto, a palavra ela, no primeiro verso da segunda estrofe? Justifique sua resposta.

RESPOSTAS:

A) O texto estabelece um contraste entre a palavra em si e a sua execução na boca do sertanejo: no "idioma pedra", as palavras são ásperas, duras e ferem a boca, por isso o sertanejo as pega com cuidado, confeitando-as. Daí, sua fala enganar: as palavras duras do idioma soam doces em seu modo de falar.

B) "Ela" se refere de imediato à passagem "glace / de uma entonação lisa, de adocicada." No entanto, de um modo geral, retoma a idéia de fala, mencionada no primeiro verso. Ou seja, sob ela (a fala adocicada do sertanejo), existe a língua/idioma de pedra.


O CORTIÇO - Aluísio de Azevedo Vote

A Obra

O Cortiço (1890), expressão máxima do Naturalismo Brasileiro, apresenta como personagem principal João Romão, português que pode ser encarado como metáfora do capitalismo selvagem, pois tem como principal objetivo na vida enriquecer a qualquer custo. Ambicioso ao extremo, não mede esforços, sacrificando até a si mesmo. Veste-se mal. Dorme no mesmo balcão em que trabalha. Das verduras de sua horta, come as piores: o resto vende.

Mas sua ascensão não se vai basear apenas na autoflagelação. Explora descaradamente o próximo. O vinho que vende aos seus clientes é diluído em água (fica aqui nas entrelinhas a idéia de que o brasileiro está destinado a ser explorado pelo estrangeiro). Mas o mais sintomático de seu caráter está na sua relação com Bertoleza.

Era essa uma escrava que ganhava a vida vendendo peixe frito diante da venda de João Romão. Os dois tornam-se amantes. O protagonista aproveita as economias dela e, mentindo que havia comprado a sua carta de alforria, investe em seus próprios negócios, construindo três casinhas, imediatamente alugadas.

Com o tempo, de três chegam a 99 casinhas (na realidade, o progresso é devido não só ao tempo. Há também o dinheiro dos aluguéis que vai sendo investindo, numa postura claramente capitalista, e também o furto que João Romão e sua amante vão realizando do material de construção dos vizinhos), tornando-se o Cortiço São Romão (a maneira como Aluísio Azevedo descreve a origem e o estágio atual desse fervilhar tem claro gosto naturalista.
No primeiro aspecto, as condições do meio – água à vontade – permitiram que a moradia coletiva se desenvolvesse. Existe, nesse tópico, uma forte influência dos avanços que a Biologia estava tendo na época.

Quanto ao segundo aspecto, a maneira como são descritos os moradores em sua agitação, semelhantes a larvas minhocando num monte de esterco, é de uma escatologia tradicional a essa escola literária, rebaixadora ou mesmo aniquiladora da nobreza humana, ao comparar degradantemente suas personagens a animais, num processo conhecido como zoormorfismo). Aqui está a salvação do romance.

Aluísio Azevedo tem deficiências no trato de personagens, tornando-as psicologicamente pobres, o que pode ser desculpável, pois o Naturalismo tem uma predileção por tipos. Essa característica vem a calhar a um autor que se notabilizara como caricaturista.

De fato, os moradores do cortiço vão formar uma galeria de tipos extremamente rica, colorida, autorizando-nos a dizer que essa coletividade é que se torna a melhor personagem da obra. A moradia coletiva comporta-se como um só personagem, um ser vivo.

Nesse lugar, encontramos inúmeras figuras, cada uma representando um mergulho nas diferentes taras (o enfoque das patologias sexuais, apresentando o homem com um prisioneiro dos instintos carnais – bem longe da imagem idealizada de racionalidade e nobreza – é uma das predileções do Naturalismo) e facetas da decadência humana.

Há vários exemplos, como Neném, adolescente negra de libido explosiva que acaba perdendo a virgindade nas mãos de um empregado de João Romão. Cai na vida. Existe também Albino, de tendências homossexuais, ou então Machona, de pulso firme, tanto denotativa quanto conotativamente.

Botelho, homem corroído pelas hemorróidas (a menção a esse detalhe, degradante, é típica do Naturalismo) e pelo pior tipo de materialismo – o alimentado pela cobiça de quem não tem nada.

Pombinha, moça afilhada da prostituta Léonie, que é responsável também por sua iniciação sexual. A menina é noiva de João da Costa. Seu casamento seria a garantia de saída daquela moradia pobre. Mas sua mãe tinha escrúpulos que adiavam o casamento: enquanto a filha não se tornasse mulher – ou seja, tivesse sua primeira menstruação – não podia casar-se.

No entanto, a menarca estava por demais atrasada, o que se transformava num drama acompanhado pelos moradores do cortiço, que a tratavam como a flor mais preciosa (é também típica do Naturalismo essa força que os aspectos biológicos exercem sobre o caráter da personagem. Enquanto não tem sua primeira menstruação, é menina pura.

Tanto que, uma das poucas alfabetizadas e dotadas de tempo ocioso, dedica-se a ler e a escrever as cartas dos diversos moradores do cortiço, entrando em contato com a podridão das paixões humanas. Mas isso não macula sua inocência até o momento em que, mulher – ou seja, já capaz de menstruar e, portanto, cumprir seu papel biológico de reprodução –, adquire maturidade para entender o que se passa entre aquela multidão de machos e de fêmeas.

Com nojo de tudo o que via, desencanta-se). No fim, vira lésbica e cai na vida, principalmente por influência de sua iniciadora, Léonie (outra leitura interessante que se pode fazer em O Cortiço é captar o destino a que é submetida a mulher. Ou se torna objeto do homem, ou sabe seduzir, de objeto tornando-se sujeito, ou despreza-o totalmente. Qualquer uma dessas posições é, na óptica da obra, degradante).


As velhas, de Lourdes Ramalho


As Velhas, peça de Lourdes Ramalho, é um duelo manchado de rancor, amargura e paixão, que conserva no texto toda a pureza da comunicação dos sertanejos. A obra de Lourdes Ramalho, ao mesmo tempo em que preserva elementos culturais nordestinos com suas tramas cordelescas, falares entremeados de regionalismos, denúncia da Indústria da Seca, mostra também personagens delineados psicologicamente, como “Mariana” e “Vina”, apresentadas ao espectador no desenrolar da trama.

E no sertão o universo humano aparece, do amor ao ódio, do político-social ao familiar, os conflitos vão permitindo ao espectador indagar, se indignar, sorrir ou chorar, já que cada um pode ver como seu olhar lhe permite.

A autora mostra os humores alterados de duas matriarcas, a cigana Ludovina e a sertaneja Mariana. Com rixas do passado mal resolvidas, elas se vêem envolvidas em uma armadilha do destino: o filho de uma e a filha da outra se apaixonam. A situação caminha para o inevitável — as rusgas terão que ser passadas a limpo. O mascate Tomás é quem faz a ligação entre as histórias das duas famílias.

O texto de Lourdes Ramalho toca em questões sociais (problemas agrários) e se aprofunda na condição humana. O texto defende a família, defende princípios. Não se trata apenas da mulher nordestina.

Em As velhas, temos, como já citado, a denúncia da famigerada “indústria das secas”, no mesmo nível de narrativa.

É uma peça carregada de regionalismo, mas que não se limita ao universo nordestino.

A autora desconstrói o rancor das duas senhoras de uma maneira admirável. E inverte estereótipos: a cigana renunciou à natureza nômade em nome da família — e quem viaja para fugir da seca é a sertaneja. As mulheres são fortes, mas ao mesmo tempo sucumbem diante do amor incondicional pelos filhos.

Os textos da autora revelam uma poética satírica que se encaixa muito bem no humor produzido pela comédia da cultura popular, herança deixada pelos ibéricos no homem do Nordeste do Brasil.

Lourdes Ramalho cria um Teatro pleno do imaginário e fantasia, abordando a realidade de forma nua e crua, expondo e denunciando injustiças sociais, históricas ou políticas, transformando um homem simples, num herói grandioso, patético e quixotesco.


Macunaíma

de Mário de Andrade

Com uma narrativa de caráter mítico, em que os acontecimentos não seguem as convenções realistas, a obra procura fazer um retrato do povo brasileiro, por meio do “herói sem caráter”

O livro faz parte da primeira fase modernista – a fase heróica. A influência das vanguardas européias é visível em várias técnicas inovadoras de linguagem que a obra apresenta. Por isso, Macunaíma pode oferecer algumas dificuldades ao leitor desavisado.


Há inúmeras referências ao folclore brasileiro. A narrativa se aproxima da oralidade – no capítulo “Cartas pras Icamiabas”, Macunaíma ironiza o povo de São Paulo, que fala em uma língua e escreve em outra. Além disso, não existe verossimilhança realista.


Alguns aspectos históricos motivaram Mário de Andrade a criar tais “empecilhos”. A referência ao folclore brasileiro e à linguagem oral é manifestação típica da primeira fase modernista, quando os escritores estavam preocupados em descobrir a identidade do país e do brasileiro. No plano formal, essa busca se dá pela linguagem falada no Brasil, ignorando, ou melhor, desafiando o português lusitano. No plano temático, a utilização do folclore servia como matéria-prima dessa busca.


Macunaíma é, portanto, uma tentativa de construção do retrato do povo brasileiro. Essa tentativa não era nova. O autor romântico José de Alencar, por exemplo, tivera a mesma intenção ao criar, no romance O Guarani, o personagem Peri, índio de aspirações nobres, que se assemelhava, em relação a sua conduta ética, a um cavaleiro medieval lusitano. Não é exagero dizer, se compararmos Peri a Macunaíma, que esse é o oposto daquele. Enquanto o primeiro é valente, extremamente perseverante e encontra suas motivações nos valores da ética e da moral, Macunaíma, além de indolente, conduz a maioria de seus atos movido pelo prazer terreno, mundano. É “o herói sem nenhum caráter”.

NARRADOR
A crítica literária contemporânea faz questão de considerar a diferença entre o autor e o narrador: esse é tido como uma criação daquele. No caso de Macunaíma, no entanto, essa distinção pode ser questionada, quando o narrador aparece no último capítulo. No “Epílogo”, o narrador revela que a história que acabara de narrar havia sido contada por um papagaio, que, por sua vez, a tinha ouvido de Macunaíma: “Tudo ele – o papagaio – contou pro homem e depois abriu asa rumo a Lisboa. E o homem sou eu, minha gente, e eu fiquei pra vos contar a história”. Essa interferência do narrador, da forma como foi feita, aproxima-o do autor, no caso Mário de Andrade.

ENREDO
A obra Macunaíma pode ser classificada como uma rapsódia, considerando- se dois significados dessa palavra contidos no Dicionário Aurélio: “3. Entre os gregos, fragmentos de poemas épicos cantados pelos rapsodos. 4. Mús. Fantasia instrumental que utiliza temas e processos de composição improvisada tirados de cantos tradicionais ou populares”.


Há, ainda, uma aproximação ao gênero épico: à medida que o livro narra, em trechos fragmentados, a vida de um personagem que simboliza uma nação. Sobre a acepção musical dada pelo dicionário, chama atenção o improviso da narrativa, que impressiona e surpreende a cada momento, tendo como pano de fundo a cultura popular.


O enredo dessa rapsódia, como foi dito, pode tornar-se confuso ao leitor acostumado ao pacto de verossimilhança realista. Por exemplo, é necessário aceitar o fato de o protagonista morrer duas vezes no romance; ou, então, que Macunaíma, em uma fuga, possa estar em Manaus e, algumas linhas depois, aparecer na Argentina; ou ainda o fato de o herói encontrar uma poça que embranquece quem nela se banha.


A verossimilhança em questão é surrealista e deve ser lida de forma simbólica. A cena em que Macunaíma e seus dois irmãos se banham na água que embranquece pode ser entendida como o símbolo das três etnias que formaram o Brasil: o branco, vindo da Europa; o negro, trazido como escravo da África; e o índio nativo. Nessa cena, Macunaíma é o primeiro a se banhar e torna-se loiro.
Jiguê é o segundo, e como a água já estava “suja” do negrume do herói, fica com a cor de bronze (índio); por último, Manaape, que simboliza o negro, só embranquece a palma das mãos e a sola dos pés.

Capítulo I - “Macunaíma
Macunaíma nasce no Uraricoera e já manifesta uma de suas características mais fortes: a preguiça; sua principal atividade é a sexual, e com a mulher do irmão Jiguê. É também nesse capítulo que o protagonista se transforma em um príncipe lindo.

Capítulo II - “Maioridade”
Por suas traquinagens, Macunaíma é abandonado pela mãe. No meio do mato, encontra o Curupira, que arma uma cilada para o herói, da qual acaba escapando por pura preguiça. Depois de contar à cotia como enganou o monstro, ela joga calda de aipim envenenada em Macunaíma, fazendo seu corpo crescer, com exceção da cabeça, que ele consegue desviar do caldo.

Capítulo III - “Ci, Mãe do Mato”
Com a ajuda dos irmãos, Macunaíma consegue fazer sexo com Ci, que engravida e perde o filho. Após a morte do filho, Ci deixa também este mundo e dá a Macunaíma a famosa muiraquitã, um tipo de talismã ou amuleto.

Capítulo IV - “Boiúna Luna”
Triste, Macunaíma segue seu caminho após se despedir das Icamiabas (tribo das índias sem marido). Encontra o monstro Capei e luta contra ele. Nessa batalha, perde o muiraquitã e fica sabendo que uma tartaruga apanhada por um mariscador havia encontrado o talismã, e esse o tinha vendido a Venceslau Pietro Pietra, rico fazendeiro, residente em São Paulo.

Capítulo V - “Piaimã”
O herói, acompanhado dos irmãos, vai para São Paulo, com o objetivo de recuperar a pedra. Na cidade, descobre que Venceslau Pietro Pietra é o gigante Piaimã, devorador de gente que era amigo da Ceiuci, também apreciadora de carne humana.

Capítulo VI - “A francesa e o gigante”
Macunaíma disfarça-se de francesa para seduzir o gigante Piaimã e recuperar a muiraquitã. O gigante propõe dar a pedra ao herói disfarçado se esse aceitasse dormir com ele. Macunaíma, então, dispara numa correria por todo o Brasil.

Capítulo VII - “Macumba”
Macunaíma vai para um terreiro de macumba no Rio de Janeiro e pede à macumbeira que dê uma sova cruel no gigante.

Capítulo VIII - “Vei, a Sol”
Ainda no Rio, o herói encontra Vei, a deusa-sol. O herói promete a Vei que iria casar-se com uma de suas filhas. Na mesma noite, no entanto, Macunaíma “brinca” (ou seja, faz sexo) com uma portuguesa, enfurecendo a deusa. Ela manda um monstro pavoroso atrás do herói, que foge deixando a portuguesa com o monstro.

Capítulo IX - “Carta pras Icamiabas”
No retorno a São Paulo, Macunaíma escreve a famosa “Carta pras Icamiabas”, na qual descreve, em estilo afetadíssimo, a agitação e as mazelas da vida paulistana.

Capítulo X - “Pauí-pódole”
Com o gigante adoentado, Macunaíma fica impossibilitado de recuperar a pedra, portanto gasta seu tempo aprendendo a difícil língua da terra.

Capítulo XI - “A velha Ceiuci”
Depois de arrumar uma saborosa confusão na cidade, o herói vai visitar o gigante, que ainda se recuperava. Resolve fazer uma pescaria no Tietê, onde também costumava pescar Ceiuci. Além de brincar com a filha da caapora, Macunaíma foge de Ceiuci em um cavalo que percorre de forma surrealista a América Latina: em algumas linhas, faz o incrível trajeto Manaus-Argentina.

Capítulo XII - “Tequetequem, Chupinzão e a injustiça dos homens”
Disfarçando-se de pianista, Macunaíma tenta obter uma bolsa de estudo para seguir no encalço de Venceslau Pietro Pietra, que fora para a Europa. Não conseguindo ludibriar o governo, decide viajar pelo Brasil com os irmãos. Numa das andanças, com fome, o herói encontra um macaco comendo coquinhos. O macaco diz cinicamente que estava comendo os próprios testículos. Macunaíma, ingenuamente, pega então um paralelepípedo e bate com toda a força nos seus, ditos, coquinhos. O herói morre e é ressuscitado pelo irmão Manaape, que lhe restitui os testículos com dois cocos-da-baía.

Capítulo XIII - “A piolhenta de Jiguê”
Jiguê se enamora de uma moça piolhenta, que brinca toda hora com Macunaíma. Quando descobre a traição, Jiguê dá uma sova no herói e uma porretada na amante, que vai para o céu com seus piolhos, transformada em estrela que pula.

Capítulo XIV - “Muiraquitã”
Macunaíma mata o gigante Piaimã, jogando-o num buraco com água fervendo, onde Ceiuci preparava uma imensa macarronada. Depois de matar Venceslau Pietro Pietra, o herói consegue recuperar a muiraquitã.

Capítulo XV - “A pacuera de Oibê”
Macunaíma e os irmãos resolvem voltar para o Uraricoera, levando consigo alguns pertences e uma dose de saudade de São Paulo. Na volta, o herói tem vários casos amorosos. Perseguidos pelo Minhocão Oibê, Macunaíma o transforma num cachorro-do-mato e segue viagem.

Capítulo XVI - “Uraricoera”
Chegando ao Uraricoera, o herói se entristece ao ver a maloca da tribo destruída. Uma sombra leprosa devora os irmãos, e Macunaíma fica só. Todas as aves o abandonam, apenas um papagaio, a quem conta toda a sua história, permanece com ele.

Capítulo XVII - “Ursa Maior”
Vei, a Sol, vinga a desfeita que Macunaíma havia feito a uma de suas filhas e cria uma armadilha para o herói, que, ao ver a uiara em uma lagoa, se deixa seduzir e acaba sendo mutilado pelo monstro. Macunaíma consegue recuperar suas partes mutiladas, abrindo a barriga do bicho, mas não encontra sua perna nem a muiraquitã. O herói vai para o céu, transformado na constelação da Ursa Maior.

Epílogo
O narrador, aqui, conta que ficou conhecendo a história narrada com o papagaio ao qual Macunaíma havia relatado suas aventuras.

TEMPO E ESPAÇO
Por tratar-se de uma narrativa mítica, o tempo e o espaço da obra não estão precisamente definidos, tendo como base a realidade. Pode-se dizer apenas que o espaço é prioritariamente o espaço geográfico brasileiro, com algumas referências ao exterior, enquanto o tempo cronológico da narrativa se mostra indefinido.

CONCLUSÃO
Macunaíma é uma obra que busca sintetizar o caráter brasileiro, segundo as convicções da primeira fase modernista. Uma leitura possível é a de que o povo brasileiro não tem um caráter definido e o Brasil é um país grande como o corpo de Macunaíma, mas imaturo, característica que é simbolizada pela cabeça pequena do herói.


9 comentários:

  1. cordel:


    No inicio o lordão era um colégio particular
    Só estudava a elite de Picuì e região
    Além de pagarem,os alunos tinham de ter bom desenpenho
    E nas aulas prestarem bastante atenção
    Porque se atrapalhasse a aula
    Como castigo levava uma palmatória na mão.

    "Delminha bebê" de brava só tem a cara!
    É um doce de pessoa
    As vezes está extressada,
    mas na maioria das vezes está de boa
    Tem dia que nós alunos exageramos
    então ela fica brava, mais brava que uma leoa.

    Antigamente os alunos vinham para a escola impecáveis
    Por que existia uma professora de ética e moral
    Todo dia para entrar na escola só entravam em fila e se cantassem o hino nacional.
    Todos sabiam cantar o hino da Paraiba, o da bandeira
    E também o hino da nossa terra natal.

    No desfile a maquete feita por Genival vai passando
    E o povo vai ao delirio
    Nos olhos dos espectadores
    De longe dá pra ver o brilho
    Vendo mais um belo trabalho
    Que por Genival é tratado como um filho.

    Nos jogos de Cuité
    O xadrex já virou tradição
    Todos os anos os representantes dessa escola
    Jogam com muita concentração
    Por isso todos os anos
    O lordão é campeão.


    Escola Estadual Professor Lordão
    Série: 2º Turma: A Turno: Matutino
    Disciplina: História Professor: Robson Rubenilson
    Equipe:
    Francisco Medeiros Nº 15
    Joele Kelly Nº 23
    Silmara Henrriques Nº 43
    Vanessa Dantas Nº 48
    Sara Dantas Nº 51

    ResponderExcluir
  2. Lordão 70 anos

    A escola professor lordão
    É lugar de aprender
    Sua estrutura é muito boa
    Leva o aluno a crescer
    Os professores qualificados
    Incentiva-os a vencer.

    Tem tradição, tem história
    Tem muito o que contar
    Homenageando Graciliano Fontino Lordão
    Que devemos relembrar
    Com carinho e satisfação
    A ele homenagear

    A mais de 70 anos
    Vem formando cidadãos
    Enriquecendo a cultura
    Crescendo na educação
    Conquistando mais espaço
    Sendo orgulho da naçao

    Repensando Picuí
    Um projeto elaborado
    Colocado em prática
    Foi muito valorizado
    Ganhou um grande prêmio
    Foi sonho realizado

    Fardamento, festas e recreios
    Faz parte do dia-a-dia
    De crianças e adolescentes
    Que um mundo fantasia
    Cheios de sonhos, e esperanças
    E de muita alegria.

    Escola Estadual Professor Lordão
    Série:2ºA
    Disciplina: História
    Professor: Robson
    Equipe:Junior Estrela Nº13
    Joele Costa Nº24
    Luciana Brito Nº 26
    Jailma Estrela Nº32
    Jamielma Estrela Nº33

    ResponderExcluir
  3. O Lordão fez 70 anos
    Da história e tradição
    Educando os filhos de Picuí
    Dando um show de educação
    Bons professores e alunos
    Fazem parte do Lordão

    Nesses anos de vida
    Muita coisa aconteceu
    Por ela passaram-se muitos alunos
    E a escola procedeu
    Educando e respeitando
    Foi assim que ela cresceu

    A escola Lordão
    Tem o prazer de convidar
    Chamam a todos
    Para participar
    Da semana da cultura
    Sua história abordar

    O Lordão é uma escola boa
    Da orgulho de estudar
    Aprender com os professores
    Para um futuro alcançar
    Pra ter conforto no futuro
    E um histórico escolar

    Para finalizar
    Tenho que contar
    Que estudo no Lordão
    Pois meus estudos vou terminar
    Para que no futuro
    Meu sucesso alcançar

    Escola Estadual Professor Lordão
    Série:2ºA Disciplina: História Professor: Robson
    Equipe: Daniele Lima Silva
    Jaira Rizia Dias Lima
    Jardianai Silva de Castro
    Jeane Ferreira de Castro
    Simone da Silva Oliveira

    ResponderExcluir
  4. O Lordão completou
    70 Anos de historia
    Muitas percas e conquistas
    Que vão ficar na memória
    Muitos projetos foram criados
    Que foram sinônimos de vitoria

    O projeto repensando
    Venceu um concurso nacional
    Fo a fera de ciências
    E com o premio sensacional
    Conseguiu transformar
    O projeto da fanfarra em sonho real

    Nesses 70 anos
    Tudo pôde acontecer
    Com a criação de projetos
    Faz nossa escola crescer
    Com as meninas da fanfarra
    Botando pra descer

    Antes tudo era difícil
    Foi mudando devagar
    Tudo se transformou
    Da educação do pesóa
    E hoje comemoramos
    Os 70 anos desse lugar

    Isso tudo e muito mais
    Nasceram da educação
    Onde Alunos e professores
    Ajudaram no crescimento do Lordão
    Estamos até hoje
    Carregando essa tradição

    Escola Estadual Professor Lordão
    Série:2ºA Disciplina: História Professor: Robson
    Equipe: Marlon Emmanuel da Silva Dantas
    Simone Medeiros
    Milena
    Robervania
    Laís (eu acho)
    Qualquer coisa consulte alguém do grupo

    ResponderExcluir
  5. Esse blog ajuda muito os alunos... que desejam passar no vest 2011.. inclusive EU...

    ResponderExcluir
  6. Olá para Todos, gostei do blog, vou dar um AVISO!

    Daqui há alguns dias eu vou estar com o
    FILME MACUNAÍMA, qualquer coisa gente, podem encomendar o filme (83) 9956-6410, reserve o seu, dia 10 de Julho, creio que já estarei com o Filme.

    OBS: Deêm uma olhada no meu blog

    www.edicaocorel.blogspot.com (Edição Corel - Não procurem no google pois ele tem poucas visitas e por enquanto não vão acha-lo)

    Lá eu vou postar algumas vídeos aulas, dicas, downloads e outros conhecimentos que quero compartilhar, creio que precisarão saber como fazer uma edição de vídeo básica para os trabalhos da escola e usar o PowerPoint)

    Peço um favor, Divulguem!

    Obs: Desculpe Robson por qualquer coisa, não quero fazer deste Blog um Comércio, vou dar minha contribuição para o pessoal! ;)

    Isaias 55:6 - Buscai ao Senhor Enquanto se pode achar; invocai-o enquanto está perto.

    Só Jesus Salva!

    ResponderExcluir
  7. Adorei o site ... tava mesmo precisando dos resumos das obras. Valeu

    ResponderExcluir
  8. ola robson amei o seu blog e agora faço parte dele tambem por conhecidencia estava precisando das obras e vou prestar vestibular nesse domingo pra historia é com grande alegria que irei participar do seu blog
    ate mais abraço...

    ResponderExcluir
  9. obrigada;pois ainda ñ tinha lido as obras,um abraço macela

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...