30 de novembro de 2009

Resultado Final - História 1º ano 2010

Relação dos aprovados em História - 1º ano C 2010 - Parabéns!
O nome que não constar nesta relação precisa fazer recupração ou final, estudem!


1- Bárbara Dantas - 7,7 ( 3º lugar) Parabéns....
2-
3- Fabianny Dutra - 7,8 ( 2º lugar) Parabéns....
4- Fabrício Ramom - 7,2
5-
6- Franciane Felipe - 7,6
7- Micarla Dantas - 7,3
8- Raiane Naiara - 70
9-
10 - Rodrigo Santos - 7,1
11- Tatiane Alice - 7,3
12- Tayná Dantas - 7,9 ( 1º Lugar) a Historiadora, parabéns....

19 de novembro de 2009

Revisão PSS/UFPB 2º ano

Revisão PSS 2º ano
Cursinho Picuí/CCDES
Prof. Robson Rubenilson
Acesse: http://vejahistoria1.blogspot.com
Quer conferir o gabarito deixe um pedido no comentário

1. No processo formativo da modernidade, o Estado Moderno teve no Absolutismo o início de sua configuração. Nesse sentido, é correto afirmar que o regime absolutista

a) representa a consolidação do poder dos senhores feudais contra a burguesia, que, desde o século XVI, tentava instaurar repúblicas democráticas na Europa.
b) expressa os interesses das burguesias mercantis européias pelo livre cambismo econômico, que as beneficiava em um contexto de crescimento do comércio colonial.
c) traduz o processo de centralização política, administrativa e militar, com a conseqüente e drástica redução dos poderes dos senhores feudais.
d) teve os pensadores Maquiavel, Hobbes e Bossuet, como seus mais destacados críticos, especialmente, quanto ao excesso de centralização do poder nas mãos dos reis.
e) significa um pacto de poder entre a nobreza e os camponeses, mediante a centralização política, administrativa e militar nas mãos do rei.


2. Observe, com atenção, o mapa que retrata o processo de colonização européia da América do Norte.



Em relação a esse processo, considere as afirmativas abaixo, identificando com V a(s) verdadeira(s) e com F, a(s) falsa(s).

( ) A fundação de Nova York por puritanos, em 1626, marcou o início da ocupação inglesa das treze colônias, no atual território dos EUA.
( ) A fundação de Plymouth, em 1620, marcou o início da colonização dos puritanos na Nova Inglaterra, território, atualmente, pertencente aos EUA.
( ) Os franceses se estabeleceram, a partir de 1608, no vale do Rio São Lourenço e na região dos grandes lagos, dando origem à atual Quebec, no Canadá.
( ) Os franceses ocuparam a bacia do Mississipi-Missouri, fundando a povoação portuária de Nova Orleans, centro da colonização da Louisiana, atualmente território do Canadá.
( ) Os espanhóis fundaram, no século XVI, a Flórida, atualmente território dos EUA, com o objetivo de melhor controlarem as rotas de navegação do Atlântico para o Golfo do México.

A seqüência correta é:

a) F V V F V b) F F V F V c) F F F V V d) V V F F F e) V F F F F


3. Leia, atentamente, a poesia a seguir.

Que faço com a minha cara de índia ?
meus cabelos
E minhas rugas
E minha história
E meus segredos ?

Que faço com a minha cara de índia ?

E meus espíritos
E minha força
E meu Tupã
E meus círculos ?

Que faço com a minha cara de índia ?
E meu Toré
E meu sagrado
E meus "cabôcos"
E minha Terra
Que faço com a minha cara de índia ? E meu sangue
E minha consciência
E minha luta
E nossos filhos ?
Brasil, o que faço com a minha cara de índia ?

Não sou violência
Ou estupro
Eu sou história
Eu sou cunhã
Barriga brasileira
Ventre sagrado
Povo brasileiro
Ventre que gerou
O povo brasileiro
Hoje está só
A barriga da mãe fecunda
E os cânticos que outrora cantava
Hoje são gritos de guerra
Contra o massacre imundo

Eliane Potiguara
Disponível em:. Acesso em: 17 out.2005.
Considerando o texto e as relações interétnicas entre portugueses e indígenas, no processo de conquista do Brasil, é correto afirmar:

a) O encontro entre os dois mundos – o indígena e o europeu – foi marcado pelo completo reconhecimento de suas respectivas identidades.
b) A conquista européia provocou uma total perda de identidade dos povos indígenas, isto é, “da sua cara de índio”.
c) O confronto entre os dois mundos resultou no completo desaparecimento das tradições culturais indígenas.
d) Os povos indígenas remanescentes, com base na sua memória, reivindicam o lugar de sujeitos na construção da História brasileira.
e) A violência que marcou a conquista européia foi apagada da memória dos povos indígenas remanescentes.


4. A questão da montagem da empresa agrícola e a da mão-de-obra constituíram os principais problemas para a estruturação do processo colonizador. Com a resolução dessas questões, os portugueses puderam, efetivamente, estabelecer o seu domínio no Brasil.
Sobre a empresa colonial brasileira e a escravidão, considere as afirmativas abaixo:

I. A ausência de um excedente demográfico em Portugal, no início do século XVI, inviabilizou a transferência de portugueses para a Colônia, diferentemente do que aconteceu com os ingleses na América do Norte, no século XVII.
II. A Holanda desempenhou um papel decisivo no início da colonização brasileira porque, além de viabilizar a distribuição de açúcar no mercado europeu, financiou a compra de escravos e a infra-estrutura produtiva necessária, a exemplo da construção de engenhos.
III. A vinda de escravos e o desenvolvimento da empresa açucareira, no século XVI, estimularam a intensa imigração de portugueses, que vinham em busca de trabalho, nos engenhos, e das terras localizadas no interior da Colônia.

Está(ão) correta(s):

a) apenas I d) apenas II e III
b) apenas III e) I, II e III
c) apenas I e II


5. Leia o texto abaixo.

Pero de Magalhães Gândavo, cronista quinhentista, “[...] escreveu que os índios do litoral brasileiro não tinham as letras ‘F, nem L, nem R’, não possuindo ‘Fé, nem Lei, nem Rei’ e vivendo ‘desordenadamente’. [...] Quanto à língua, a imposição do português foi vista como forma de preservar a Colônia; porém tal ímpeto foi contrabalançado pelas necessidades cotidianas [...]”.

(VILALTA, Luís. O que se fala e o que se lê: língua, instrução e leitura. In: NOVAIS, F. (Coord.) e MELLO E SOUZA, L. de (Org.). História da Vida Privada no Brasil. Cotidiano e vida privada na América Portuguesa. v. 1. São Paulo: Companhia das Letras, 1997, p.332-333).

Sobre a relação entre o uso da língua e as formas de dominação no cotidiano do Brasil Colonial, considere as afirmativas abaixo, assinalando com V a(s) verdadeira(s) e com F, a(s) falsa(s).

( ) A tolerância com as “línguas gerais” dos índios ocorreu como forma de viabilizar a ocupação do território pela catequese, pelas bandeiras, pelo comércio e pelas alianças necessárias, para combater a presença de outros europeus, como espanhóis e franceses, que também buscavam ocupar as terras do Brasil.
( ) A mistura de etnias, portanto, das línguas dos africanos, era prática corrente do tráfico negreiro e mantinha-se nos engenhos, como forma de dificultar a associação entre escravos e, dessa forma, diminuir o risco de revoltas. Assim sendo, não houve tolerância com as línguas africanas.
( ) A imposição da língua portuguesa no Brasil só ocorreu, realmente, a partir do século XVIII, com a racionalização administrativa do governo do Marquês de Pombal. Uma de suas principais medidas de controle sobre a Colônia foi a obrigatoriedade do uso do português no cotidiano com a proibição do uso das demais línguas.

A seqüência correta é:

a) VVV c) VFF e) FFV
b) VVF d) FVV


6. Leia, com atenção, as afirmativas sobre o processo de independência na América Latina.

I. O haitianismo é a designação pela qual ficou conhecido o longo e sangrento processo de independência do Haiti (1794-1804). Esse processo, que associou o liberalismo político e econômico à emancipação dos escravos, despertou, nas elites latino-americanas, o receio da participação popular nos demais processos de independência.
II. O Bolivarismo constituiu-se na visão pan-americanista mais forte na América Latina e foi concebido por Simon Bolívar, que dirigiu as independências da Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. A expressão maior do Bolivarismo foi o Congresso do Panamá, em 1826, que chegou a aprovar o Tratado de União, Liga e Confederação Perpétua entre as repúblicas recém-independentes.
III. O Monroísmo, visão pan-americanista conhecida pela máxima “a América para os americanos”, foi expresso pelo Presidente estadunidense James Monroe, em mensagem enviada ao Congresso de seu país em 1823. Essa doutrina, em oposição ao Bolivarismo, traduzia anseios imperialistas dos EUA sobre a América Latina.

Está(ão) correta(s):

a) apenas I d) apenas II e III
b) apenas I e II e) I, II e III
c) apenas I e III


7. Do final do século XVIII à Independência (1822), ocorreram diversas rebeliões contra o domínio português no Brasil, resultado de vários fatores internos e externos, entre os quais podemos citar: a crise do Estado absolutista português; a crescente influência dos ideais da Revolução Francesa na América; e o interesse dos grandes proprietários de terras e dos grandes comerciantes em colocarem um fim às restrições impostas ao Brasil pelo Pacto Colonial.

Sobre os chamados movimentos pela emancipação política brasileira, considere as afirmativas abaixo, assinalando com V a(s) verdadeira(s) e com F, a(s) falsa(s).

( ) A Inconfidência Mineira teve como principais motivações: a cobrança de tributos em atraso (a derrama); e a proibição da instalação de manufaturas na Colônia, o que obrigava os colonos a comprarem dos portugueses mercadorias importadas.
( ) A Conjuração Baiana foi o único movimento que teve a liderança de camadas sociais pobres, e pode ser considerado o mais radical de todos os movimentos porque defendia o fim da escravidão e a abolição de todos os privilégios das camadas sociais ricas.
( ) A Revolução Pernambucana foi uma rebelião de aristocratas pernambucanos contra as tendências republicanas em curso, mas não contou com o apoio das províncias vizinhas, inclusive da Paraíba, que mandou tropas para combater essa rebelião.

A seqüência correta é:

a) VVV c) VFF e) FFF
b) VVF d) FFV

8. A crise do Pacto Colonial, nas primeiras décadas do século XIX, manifestou-se com grande vigor na atual região Nordeste do Brasil, então denominada de Norte. Na Capitania da Paraíba, que, após 1815, passou a Província do Reino Unido do Brasil, além do descontentamento com a Metrópole, o processo descolonizador teve como característica adicional e muito peculiar:

a) O descontentamento dos paraibanos com o fato da Paraíba ter sido desanexada da Capitania de Pernambuco em 1799.
b) A significativa participação popular de mulatos e escravos na luta contra a subordinação comercial da Paraíba a Pernambuco.
c) A permanência da situação de subordinação comercial da Paraíba em relação a Pernambuco, mesmo após a desanexação política.
d) A reivindicação formal do movimento descolonizador no sentido de reanexar, politicamente, a Paraíba a Pernambuco.
e) O confronto armado das elites paraibanas contra as elites pernambucanas, motivado pela subordinação comercial da Paraíba a Pernambuco.

Revisão PSS/UFPB 1º ano

Revisão PSS 1º ano
Cursinho Picuí/CCDES
Prof. Robson Rubenilson
Acesse: http://vejahistoria1.blogspot.com
Quer conferir o gabarito, deixe um pedido no comentário.


1. Cada afirmativa abaixo caracteriza uma concepção de História, portanto, representa uma corrente historiográfica diferente.

I. A História é a ciência do passado, e o papel do historiador é o de mostrar esse passado como realmente aconteceu.
II. A História é o conhecimento dos homens no transcurso do tempo, e o historiador responde às questões do presente, fazendo e refazendo suas perguntas ao passado.
III. A História da humanidade é a história da luta de classes, e o papel do historiador é o de conhecê-la para transformar a sociedade.

As concepções descritas correspondem, respectivamente, às seguintes correntes historiográficas:

a) Positivismo, Nova História e Materialismo Histórico.
b) Materialismo Histórico, Positivismo e Nova História.
c) Nova História, Materialismo Histórico e Positivismo.
d) Positivismo, Materialismo Histórico e Nova História.
e) Nova História, Positivismo e Materialismo Histórico.

2. Tendo em vista os conhecimentos atuais sobre a evolução humana, na chamada Pré-História, marque verdadeiro (V) ou falso (F) para as caracterizações abaixo:

( ) Australopithecus: considerado o mais antigo hominídeo, tinha postura ereta e crânio pequeno, sendo conhecidas, pelo menos, seis de suas espécies.
( ) Homo neanderthalensis: conviveu com o Homo sapiens, era capaz de criar ferramentas e armas mais sofisticadas, além de enterrar seus mortos e viver em cavernas.
( ) Homo sapiens: única espécie de hominídeo sobrevivente, desenvolveu e aprimorou a linguagem, técnicas como o uso do fogo, instrumentos de trabalho e armamentos, sendo capaz de se expressar através de linguagem simbólica, como em pinturas no interior das cavernas.

A seqüência correta é:

a) VFV c) FFV e) VVV
b) FVF d) VVF


3. As principais sociedades ameríndias (maias, astecas e incas) tinham como característica:

a) Homogeneidade étnica e diferenciação lingüística, localizando-se na chamada Mesoamérica (México e América Central).
b) Organização econômica com predominância da agricultura de subsistência, baseada em um sistema de propriedade privada, mas sem hierarquia social.
c) Organização política que evoluiu de teocracias centralizadas para impérios descentralizados, constituídos de cidades-estado bastante autônomas.
d) Cidades comparáveis a cidades européias, com calçamento, ajardinamento, sistema de esgoto e canalização de água.
e) Religião monoteísta, naturalista, em que se praticava a astrolatria e sacrifícios humanos.


4. Sobre as sociedades ameríndias da Paraíba, existentes antes da chegada dos portugueses, pode-se afirmar:

I. O povo Potiguara se localizava ao norte do rio Paraíba, ao longo do rio Mamanguape e nas cercanias da Serra da Copaoba (Serra da Raiz).
II. Os Potiguara estavam estabelecidos no atual território paraibano há mais tempo do que os Tabajara, que chegaram pouco antes da conquista portuguesa, apesar de se ter consagrado a Paraíba como “terra dos tabajaras”.
III. O Toré é uma tradição cultural ainda hoje preservada pelos Potiguara, significando uma dança ritual de dimensão sagrada, em que são invocados os espíritos dos antepassados.

Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s):

a) apenas I d) apenas II e III
b) apenas II e) I, II e III
c) apenas I e II



5. Sobre os povos da Antigüidade Oriental, é correto afirmar:

a) A agricultura foi o principal fator de enriquecimento e desenvolvimento dos hebreus, devido ao aproveitamento das águas através de complexos e amplos sistemas de irrigação.
b) A religião constituiu a principal herança deixada pelos egípcios, de onde provém o monoteísmo judaico.
c) O comércio marítimo marcou a presença histórica dos fenícios, que estabeleceram contatos com diversos povos, ao longo da costa do Mar Mediterrâneo.
d) A guerra de conquista foi a principal característica dos sumérios, povo que construiu um império que se estendia do Egito às fronteiras da Índia.
e) A escrita cuneiforme, uma das mais importantes formas de registro escrito, produzido em blocos de argila, foi a principal contribuição dos persas, povo que habitou a Mesopotâmia.


6. Leia, com atenção, o texto que se segue:

“– Guardas! Guardas! – grita Creonte, alucinado. – Levem depressa, e para bem longe daqui, este homem desgraçado que, querendo sobrepor-se aos deuses, matou noiva, filho, esposa e mãe. Ai de mim, tudo desmorona a meu redor. Um deus, sim, um deus desabou sobre mim com seu peso enorme e calcou aos pés a minha sorte.
– Não se devem ofender os deuses. Os golpes impiedosos que eles infligem ensinam os homens arrogantes a chegar à velhice com sabedoria. Eis a primeira condição da felicidade – conclui o corifeu, secundado pelo coro dos velhos tebanos.”

(SÓFOCLES. Antígone. Tradução e adaptação de Cecília Casas. São Paulo: Scipione, 2004, p. 38-39).

A passagem acima é extraída da peça Antígone, do poeta e dramaturgo grego Sófocles (496-405 a.C.). A tragédia clássica caracteriza-se pelas tentativas humanas de fugir do destino determinado pelos deuses. Na sociedade grega da Antigüidade,

a) os deuses eram divindades infalíveis e onipresentes e, por isso, detinham em suas mãos os destinos da Humanidade.
b) Zeus era equivalente ao Deus dos cristãos, tendo apenas uma denominação distinta.
c) a religião estabelecia rígido controle moral, considerando como pecado o sexo e o consumo de vinho.
d) os deuses eram imagens projetadas dos próprios homens, adquirindo, além da forma humana, suas paixões, defeitos e vícios.
e) os deuses eram divindades abstratas, sem forma definida, possuindo apenas características morais e espirituais.

7. O Império Bizantino dominou vastas regiões de diferentes etnias, em três continentes (Europa, Ásia e África), sob a égide de um modelo teocrático centralizado, conhecido como cesaropapismo, no qual o Basileus concentrava, em suas mãos, a chefia suprema do exército, da administração do Estado (Poder de César) e da religião cristã (Poder de Papa). Por conseguinte, os conflitos de natureza política, econômica, social e cultural se manifestavam como questões de religião: as famosas “querelas religiosas” bizantinas.

Sobre essas querelas, é correto afirmar:

a) O Monofisismo, uma corrente religiosa européia, concebia o caráter unicamente humano de Cristo, contrapondo-se ao poder central e à influência das províncias asiáticas, que defendiam a dupla natureza de Cristo (divina e humana).
b) A Questão Iconoclasta expressou as divergências entre os sacerdotes orientais (egípcios e maronitas) – defensores do culto das imagens – e os sacerdotes ocidentais (gregos e latinos) – contrários ao culto das imagens.
c) O Cisma do Oriente (1054) dividiu o Cristianismo em duas Igrejas, a Católica Romana e a Cristã Ortodoxa, significando um dos passos decisivos para a afirmação do poder papal na Europa Ocidental e da influência bizantina no leste europeu.
d) O Tribunal do Santo Ofício (a Inquisição) servia para garantir a ortodoxia da Igreja e foi criado pelo Basileus como instrumento de controle do poder central sobre as heresias, que explodiram primeiramente no Império Bizantino.
e) O Arianismo, uma heresia religiosa, foi responsável pela conversão dos povos germânicos (os “Bárbaros”) ao cristianismo, defendendo a superioridade dos povos arianos sobre asiáticos e semitas.


8. Nos séculos XIV e XV, após um longo período de crescimento e expansão, a Ordem Feudal do Ocidente europeu vivenciou uma longa e profunda crise que culminou no advento dos ‘Tempos Modernos’.

Nesse sentido, NÃO constitui um acontecimento histórico relacionado à crise:

a) A Peste Negra
b) A Guerra dos Trinta Anos
c) As revoltas comunais
d) A Guerra dos Cem Anos
e) As Jacqueries

Revisão História da Paraíba - 2009 ( UFPB-UFCG-UEPB-IFPB)

Cursinho Picuí/CCDES
A sua oportunidade de aprovação
Revisão: História da Paraíba ( UFCG-UFPB-UEPB)
Professor Robson Rubenilson
Acesse: http://vejahistoria1.blogspot.com
Quer confeiri o gabarito, deixe um pedido no comentário.


1. Sobre as sociedades ameríndias da Paraíba, existentes antes da chegada dos portugueses, pode-se afirmar:

I. O povo Potiguara se localizava ao norte do rio Paraíba, ao longo do rio Mamanguape e nas cercanias da Serra da Copaoba (Serra da Raiz).
II. Os Potiguara estavam estabelecidos no atual território paraibano há mais tempo do que os Tabajara, que chegaram pouco antes da conquista portuguesa, apesar de se ter consagrado a Paraíba como “terra dos tabajaras”.
III. O Toré é uma tradição cultural ainda hoje preservada pelos Potiguara, significando uma dança ritual de dimensão sagrada, em que são invocados os espíritos dos antepassados.

Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s):

a) apenas I d) apenas II e III
b) apenas II e) I, II e III
c) apenas I e II

2. Leia o trecho a seguir:

“(...) o avanço em que ia o progresso da Capitania, em 1601, ou um pouco mais tarde, leva a crer que o trabalho nativo era o motor desse progresso” (MEDEIROS, M. do Céu e SÁ, Ariane N. de M. O Trabalho na Paraíba: das origens à transição para o trabalho livre. João Pessoa: Universitária/UFPB, 1999, p. 31).

Baseado no exposto pode-se afirmar:

I. As aldeias, para os capitães-mores da Capitania Real da Paraíba, tinham a finalidade de preparar braços para a lavoura e soldados para a guerra.
II. A mão-de-obra indígena teve pouca participação na conquista e colonização da Paraíba, pois os nativos não se adaptaram às condições exigidas pelo colonizador.
III. O escambo, relação de trabalho que deu certo no extrativismo do pau-brasil, foi posto em prática na Paraíba, para integrar o índio ao processo produtivo.

A(s) afirmação(ões) correta(s) é(são):

a) apenas II e III d) I, II e III
b) apenas I e III e) apenas I e II
c) apenas III

3. No início da colonização, o litoral da Paraíba era habitado por dois povos pertencentes ao tronco tupi: potiguara e tabajara. Sobre esses povos, é correto afirmar:

I. Os potiguara e os tabajara, como os demais indígenas que habitavam o território brasileiro, viviam a transição do paleolítico para o neolítico, sendo capazes de confeccionar objetos de metal.
II. Os potiguara e os tabajara, embora procedessem de um tronco comum, falassem a mesma língua e tivessem traços culturais comuns, eram tradicionais inimigos, o que os enfraquecia no confronto com o colonizador europeu.
III. Os tabajara, ao contrário da maioria dos grupos indígenas brasileiros, habitavam em pequenas ocas de pau-a-pique, sendo cada uma delas destinada a uma única família.
A(s) afirmação(ões) verdadeira(s) é (são)

a) apenas I e II d) apenas II
b) apenas I e III e) apenas III
c) I, II e III

4. A resistência indígena, que tem como exemplo mais significativo a “Tragédia de Tracunhaém”, sintetizada pela historiografia nos confrontos de 1574 e 1575, levou a Coroa Portuguesa a determinar a criação da Capitania Real da Paraíba.
Sobre o processo de conquista da Paraíba, pode-se afirmar:
I. Os combates entre índios e portugueses foram violentos e permaneceram mesmo depois da Quinta Expedição de conquista em 1585.
II. Os índios potiguara resistiram à conquista portuguesa, no que foram estimulados pelos franceses.
III. Os índios tabajara, em 1585, selaram um acordo de paz com os portugueses, desarticulando a resistência indígena.
Está (ão) correta(s)
a) apenas I
b) apenas II
c) apenas I e II
d) apenas I e III
e) todas

5. Após a conquista da Paraíba, em 1584, estabeleceu-se aqui um centro da plantation açucareira. Sobre esta atividade econômica, é INCORRETO afirmar:
a) As propriedades produtoras de açúcar eram geralmente pequenas e voltadas para o consumo interno da colônia, o que levou a Coroa a instituir incentivos à exportação.
b) A aversão dos homens indígenas ao trabalho agrícola (tradicional atividade feminina em suas sociedades) bem como os grandes lucros obtidos com o tráfico transatlântico possi¬bi¬li¬ta¬ram a chegada de milhões de africanos escravizados para trabalhar nos engenhos de açúcar.
c) O cultivo do açúcar exigia grandes extensões de terra e grande quantidade de escravos e pro¬fi¬s¬sio¬nais livres, tornando-se uma atividade extremamente cara, exigindo, assim, vultosos investimentos.
d) As atividades de beneficiamento do açúcar tornaram os engenhos, com suas moendas e ca¬sas de purgar, a atividade tecnologicamente mais desenvolvida do mundo, nos séculos XVI e XVII.
e) A sociedade açucareira organizava-se em torno da casa-grande, onde viviam os grandes senho¬res de engenho que tinham poder de vida e morte sobre seus familiares e escravos.

6. A crise do Pacto Colonial, nas primeiras décadas do século XIX, manifestou-se com grande vigor na atual região Nordeste do Brasil, então denominada de Norte. Na Capitania da Paraíba, que, após 1815, passou a Província do Reino Unido do Brasil, além do descontentamento com a Metrópole, o processo descolonizador teve como característica adicional e muito peculiar:

a) O descontentamento dos paraibanos com o fato da Paraíba ter sido desanexada da Capitania de Pernambuco em 1799.
b) A significativa participação popular de mulatos e escravos na luta contra a subordinação comercial da Paraíba a Pernambuco.
c) A permanência da situação de subordinação comercial da Paraíba em relação a Pernambuco, mesmo após a desanexação política.
d) A reivindicação formal do movimento descolonizador no sentido de reanexar, politicamente, a Paraíba a Pernambuco.
e) O confronto armado das elites paraibanas contra as elites pernambucanas, motivado pela subordinação comercial da Paraíba a Pernambuco.

7. “O anuncio informal da indicação de Antônio Mariz para o Governo até mereceu festanças nas residências de amigos de Sousa, Catolé do Rocha e João Pessoa, mas tudo acabou sendo desfeito, em seguida, quando, oficialmente, o Presidente [Geisel] havia optado pelo professor e secretário de Educação do Estado, Tarcísio de Miranda Burity. A indicação do jurista não se deu à toa, e sim, pela influência inquestionável [de] José Américo de Almeida, então dedicado à literatura e à influência nos destinos políticos da Paraíba.”
(SANTOS, Walter. “Antônio Mariz, o constituinte nota dez”. In: PONTES DA SILVA, Francisco (et. all). Poder e política na Paraíba. Uma análise das lideranças (1960-1990). p. 269-278)

A eleição para Governador da Paraíba, em 1978, de que trata o texto acima, deu-se mais uma vez de forma indireta, devido às mudanças introduzidas pelo chamado “Pacote de Abril”.
a) O que foi o “Pacote de Abril” ?



b) Que trajetória política tornou José Américo de Almeida um personagem importante da História da Paraíba pós- 30 ?


8. "A organização dos camponeses na Paraíba, com a morte de seus líderes, não foi destruída, ao contrário, serviu de estímulo para lutar e reivindicar seus direitos. As Ligas Camponesas representaram importante papel na redefinição da questão agrária brasileira e questionaram o papel dos latifundiários, trazendo a Reforma Agrária para o debate público" (SILVA, Maria Santana de Souza. “Os Camponeses se Rebelam e Lutam pela Reforma Agrária”. In: LIMA, Damião de. e outros: Estudando a História da Paraíba. Campina Grande: Cultura Nordestina, 1999, p. 108).

Tomando por base o tema abordado no texto,

a) defina as Ligas Camponesas, identificando seu papel histórico na Paraíba.



b) caracterize a atuação do MST no Brasil atual


9. Ao assumir o governo da Paraíba em outubro de 1928, o presidente João Pessoa empreendeu uma série de reformas, destacando-se a reforma tributária. Pela lei 673 de 17/11/1928, criou o novo imposto de incorporação ou imposto de “barreira”, que disciplinava a entrada e saída de produtos, impedindo o contrabando, através dos estados limítrofes da Paraíba. As reformas efetivadas por João Pessoa e a questão da introdução do rodízio na organização da chapa de seu partido, para as próximas eleições, motivaram a Revolta de Princesa, episódio significativo da crise do poder oligárquico paraibano.

(Adaptado de GURJÃO, Eliete de Queiroz. A Paraíba Republicana (1889-1945) In: SILVEIRA, Rosa M. G. et alii. Estrutura de Poder na Paraíba. João Pessoa: Ed. Universitária/UFPB, 1999. Coleção História Temática da Paraíba, v. 4)

Considerando o tema abordado no texto:

a) Relacione a Revolta de Princesa com a crise do poder oligárquico na Paraíba.


b) Cite uma outra reforma promovida pelo Governo João Pessoa, além das apontadas no texto

6 de novembro de 2009

AULÃO DE HISTÓRIA GRATUITO




  • Será realizado neste sábado (07/11) a partir das 19 h o aulão de história com o professor Robson.


  • A revisão será especificamente para o PS da UFCG e acontecerá no pátio do colégio e curso divino espírito santo - CCDES ou da Escola Professor Lordão em Picuí.


  • A participação é gratuita e conta com a parceria do CCDES, Cursinho Picuí e Escola Professor lordão. É necessária apenas sua confirmação antecipada, que pode ser através deste BLOG.



  • Ementa:

Introdução aos estudos da história

Pré- História

Idade antiga

Idade média


Essa é minha contribuição para o seu sucesso!

2 de novembro de 2009

Atividade Lordão

Atividade de pesquisa virtual




Cada equipe deve clicar no menu acima que tem: " atividades, 2º ano, 3º ano". A equipe deve clicar em sua série onde irá levar até sua atividade. A equipe pode pesquisar em outras fontes e até discutir com os colegas, mas evitem o plágio! A resposta deve ser nesta página como comentário como vemos abaixo. Reserve um tempo para fazer a postagem e cuidado para não deixar sua conta aberta.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...